O que você procura?
Revista
Autores
Categorias
Subcategorias
Tags

Governo do Estado do Rio promete retomar obras do metrô da Gávea

Autoridades buscam saída jurídica para reinício ainda neste semestre, em meio a polêmica sobre reavaliação de riscos de desabamento

O Governo do Estado do Rio de Janeiro busca uma saída jurídica para retomar as obras da estação Gávea do metrô ainda neste semestre. O local que serviria para embarque e desembarque de passageiros faz parte da Linha 4, que também precisa ser concluída para a operação, mas essas obras foram paralisadas em 2015. Atualmente, há uma cratera no terreno do projeto, que precisou ser inundada para se evitar desabamentos, e a necessidade de urgente reavaliação de risco é polêmica.

Em reportagem do jornal O Globo, publicada nesta quarta-feira (04/01), o secretário estadual de Transportes e Mobilidade Urbana, Washington Reis, declarou que busca junto à Procuradoria Geral do Estado (PGE) uma solução jurídica para o impasse. Há uma decisão da Justiça do Rio que impede o repasse de recursos para o Consórcio Construtor Rio Barra, devido a um suposto superfaturamento da obra, apontado em ação movida pelo Ministério Público.

Independentemente dos aspectos jurídicos, a demora na retomada das obras gera preocupações com relação à segurança dos prédios residenciais ao redor e do campus da PUC-Rio. O buraco escavado tem uma profundidade de 55 metros e foi inundado entre 2017 e 2018 como medida preventiva para a estabilização do solo. No entanto, os técnicos na época recomendaram que após cinco anos o local deveria ser esvaziado para uma nova avaliação de risco. Esse prazo termina justamente no início de 2023.

Além disso, há estruturas de contenção provisórias na obra, e sua manutenção não seria permitida por muito tempo. A vida útil dos tirantes utilizados nas contenções, por exemplo, é de dois anos, segundo norma da ABNT. Esse prazo também já foi vencido.

O Clube de Engenharia, através de suas Divisões Técnicas Especializadas, acompanha a questão desde seu início e chegou a realizar debates com especialistas e a sociedade civil para se discutir os riscos da paralisação e as demandas de transporte da população. Em fevereiro do ano passado, representantes da entidade e do Crea-RJ participaram de uma reunião no TCE-RJ para se buscar uma solução para o impasse que envolve a retomada da construção. O presidente Márcio Girão e  o conselheiro Licinio Rogério (membro da Divisão Técnica de Transportes e Logística – DTRL e coordenador do Fórum de Mobilidade Urbana) participaram dessa agenda.

Apesar da premência pelo início da operação e da necessidade de se eliminar de vez o risco de um acidente, a questão jurídica ainda impera. Licinio Rogério pondera que há muitos pontos que reforçam a necessidade de se encontrar uma alternativa jurídica para o reinício da construção o mais breve possível. Segundo ele, o esvaziamento da escavação não é uma operação tão simples e demoraria até cinco meses para se concluir esse trabalho para uma avaliação de risco. Um acordo envolvendo o MP, a Justiça e todos os entes envolvidos seria o ideal enquanto não se conclui a ação judicial em tramitação. O entendimento poderia ocorrer com o objetivo de destravar a liberação de verbas, sem prejuízo de eventual execução judicial futura para o consórcio responsável.

“Não há como prever quanto tempo vai levar para que a ação na Justiça seja concluída, nem qual será seu resultado. É uma questão que pode demorar décadas. Por isso, é preciso um acordo para a retomada imediata das obras para não se agravar o risco de desabamento e para que a população possa usufruir do metrô, que já deveria estar funcionando”, argumenta Licínio, que defende o uso de parâmetro de preços da Emop para se calcular o custo dos serviços restantes e o depósito de uma garantia por parte do consórcio para cobrir eventual condenação futura.

O Clube também solicitou uma audiência com o ex-secretário estadual de Transportes André Nahass, que não atendeu a solicitação.

“A Gávea é uma obra inacabada. Aquele buraco não foi feito para permanecer aberto infinitamente. Tem que haver uma solução para evitar os riscos para o entono”,  declarou ao jornal O Globo o ex-presidente do Clube de Engenharia e atual presidente da Academia Nacional de Engenharia, Francis Bogossian.

No entanto, não há unanimidade entre os especialistas com relação à necessidade de esvaziamento e de nova avaliação técnica.

“Esvaziar a estação só fará sentido quando as obras forem retomadas. Não vejo risco estrutural porque a própria pressão da água evita a entrada do oxigênio e consequentemente qualquer ameaça de corrosão”, disse o engenheiro especializado em geotécnica da Escola Politécnica da UFRJ, Maurício Ehrlich.

Associações de moradores também vêm se mobilizando pela retomada das obras e por uma solução definitiva de segurança. A AMA-Gávea chegou a realizar um abaixo-assinando e recolheu mais de 11 mil assinaturas, cobrando providências por parte do Governo do Estado.

O Clube de Engenharia realizou em agosto de 2021 dois debates sobre a questão, em que participaram engenheiros especializados em Geotecnia. Assista aos vídeos dos eventos abaixo:

Print Friendly, PDF & Email

Fale Conosco

Print Friendly, PDF & Email
Inscrição

Enviar Carta