Clube de Engenharia
Fundado em 1880

O que você procura?
Revista
Autores
Categorias
Subcategorias
Tags

Riscos em aprovação de projeto de lei que trata de avaliação de imóveis da União são expostos em reunião no Clube

Representantes de entidades de engenheiros e arquitetos se encontraram com relator da proposta para alertar sobre incongruências da medida que inclui corretores na elaboração de laudos

A apreciação do Projeto de Lei 2.283/21, que tramita no Congresso Nacional e altera as regras para avaliação de imóveis destinados à administração pública federal, ganhou uma contribuição esclarecedora na última quinta-feira (23/05) por parte de instituições que representam engenheiros e arquitetos. Reunidos no Clube de Engenharia, representantes dessas entidades expuseram para o relator da proposta, deputado Reimont (PT-RJ), aspectos legais e técnicos para se evitar invasão de competências e danos ao interesse público, diante do risco de uma aprovação apressada do texto. A medida, proposta originalmente pelo deputado Fausto Pinato (PP-SP), inclui a participação de corretores de imóveis na subscrição de laudos emitidos na avaliação dos bens, o que interfere nas atribuições de diferentes categorias já regulamentadas por lei e pode acarretar conflitos de interesse.

Segundo a conselheira do Clube e arquiteta Kátia Farah, a proposta em tramitação na Câmara dos Deputados cria uma situação esdrúxula, ao colocar no mesmo patamar profissionais que atestam informações com base em critérios técnicos e científicos, com outros que estão habilitados a emitirem “opiniões”.

“A lei federal que regulamenta a categoria de corretores não permite que eles façam laudo de avaliação, mas permite que façam transação imobiliária e opinar sobre os valores. Engenheiros e  arquitetos se baseiam em cálculos e obedecem às normas da ABNT”, alertou a conselheira.

O alerta foi também feito pela advogada Amanda Lombardi, assessora da Presidência do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ). Segundo ela, o projeto de lei, que ganhou um substitutivo, incorre em vício de inconstitucionalidade ao entrar na seara da regulamentação profissional das categorias. Além disso, altera a atual Lei de Licitações (14.133/21), o que causaria também impacto na administração pública.

“Não podemos alterar a regulamentação profissional de uma categoria através de um projeto de lei da forma como está sendo proposta”, advertiu a advogada.

Outro ponto que foi esclarecido para se evitar a aprovação de um texto legal que traria retrocessos para o país é a do conflito de interesses na possiblidade de corretores emitirem opinião no valor de um bem que os mesmos venham a intermediar a comercialização. Na prática, permitiria uma majoração de preço para elevar a própria comissão. O aspecto foi levantado pelo conselheiro do CAU/RJ e do Crea-RJ Paulo Tadeu, que ilustrou seu ponto de vista com uma metáfora.

“É como se colocar a raposa para vigiar o galinheiro. O projeto cria uma animosidade desnecessária entre as categorias”, afirmou o conselheiro.

A reunião contou também com a participação do Vice-Presidente de Relações Institucionais do IBAPE Nacional (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia), Tércio Queiroz Filho, que esteve acompanhado do representante congênere do Rio, Cezar Fragoso. Ambos ressaltaram a complexidade técnica de uma avaliação que envolve bens valiosos e chamaram a atenção para o risco da emissão de um laudo falho.

“Temos que pensar no erro de uma avaliação dessa proporção. A avaliação é uma ciência que envolve uma série de regras. Não se pode colocar o patrimônio da União à mercê de uma opinião”, destacou Queiroz.

A diretora de Atividades Técnicas do Clube, Tatiana Ferreira, advertiu ainda para a falta de critérios científicos numa avaliação imobiliária feita na corretagem de imóveis, em contraste com a longa formação de um arquiteto ou engenheiro, que ainda precisa de especializações para ter condições de emitir um laudo adequadamente.

“Não basta fazer uma pesquisa no google e fazer uma média dos preços dos imóveis na região. É um trabalho que requer muito estudo e especialização”, lembrou Tatiana.

Reimont, cujo relatório já foi publicado no site de Câmara mas não foi votado, explicou que seu texto ainda não é definitivo e que pode sofrer alterações na medida em que recebeu novas informações sobre o tema. Ele disse que vai oficiar órgãos do governo para que se pronunciem sobre o PL e também pretende levar em consideração a visão das categorias de engenheiros e arquitetos.

“O processo legislativo é dinâmico, mas para justificar uma decisão, preciso estar amparado também em pareceres de órgãos do governo e da Caixa”, explicou o deputado. O PL está em tramitação na Comissão de Administração e Serviço Público da Câmara, mas não tem data prevista para votação. Estiveram também presentes na reunião no Clube o diretor da entidade de Atividades Financeiras e Patrimoniais, Júlio Villas Boas, os conselheiros Antero Parahyba (CE), Alberto Balassiano (primeiro vice-presidente do CREA-RJ), Catarina Luiza de Araújo e José Schipper (ambos representando também o CREA-RJ), o conselheiro vice-presidente do CAU/RJ Carlos Augusto Abreu e os engenheiros Carlos Alberto da Cruz e Jorge da Rocha (representando o SENGE-RJ).

Print Friendly, PDF & Email

Recomendado

Próximos Eventos

  • Anuncie Aqui

  • Se você viu, seu cliente também verá!

  • Fale Conosco

    Print Friendly, PDF & Email
    Inscrição

    Enviar Carta