O que você procura?
Revista
Autores
Categorias
Subcategorias
Tags

Tamas Makray: o húngaro que ajudou a modernizar o Brasil

Engenheiro químico deixou legado de participação em grandes projetos de infraestrutura, através da Promon

Os anos 1960 e 70 foram uma época de grandes empreendimentos no Brasil. A construção dos metrôs do Rio de Janeiro e de São Paulo, da Usina de Itaipu e a implantação das plataformas de petróleo na Bacia de Campos são exemplos dessas realizações. Poucos sabem, no entanto, que por trás desses investimentos havia a contribuição de um engenheiro químico, nascido na Hungria, que adotou o Brasil como pátria. Tamas Makray foi um mestre da Engenharia de Projetos, especialidade da empresa fundada por ele, a Promon Engenharia, que participou dessas e de outras grandes obras e empreendimentos de infraestrutura. Ele usou da inventividade até o fim da vida, aos 91 anos, com uma honrada história que se encerrou na última segunda-feira (09/01).

Tamas Makray nasceu na Hungria em 1931, mas abandonou o país ao final da Segunda Guerra Mundial, em 1945. Sua família passou pela Áustria e Suíça antes de se radicar no Rio de Janeiro, em 1948. Ele se formou, entretanto, no Canadá, pela McGill University, em 1953, e só depois iniciou sua vida profissional no Brasil. Logo no ano seguinte, já estava trabalhando para a Petrobras na Fábrica de Fertilizantes de Cubatão, em São Paulo. Mas no fim do ano de 1960 sua carreira daria um enorme salto, quando fundou a Promon.

A empresa se especializou na Engenharia de Projetos, área que era pouquíssimo difundida no Brasil na época, e tinha como foco inicial a indústria petrolífera. Tanto que seu primeiro contrato foi para tocar a ampliação da Refinaria de Cubatão, mas logo o portfolio se diversificou. Além da capacidade de planejar a realização dos empreendimentos de forma integrada, a empresa adotou inovações desde o início em sua gestão, com uma cultura organizacional mais dinâmica. No início dos anos 1970, o controle acionário era dos empregados e a visão de que era necessário superar todos os desafios para atender as demandas dos clientes foram diferenciais para a empresa.

Makray ajudou a conduzir a Promon até 1991. Nesse período, além de grandes obras públicas, atuou na construção de fábricas para o setor privado, como a da General Motors, em São José dos Campos (SP), e a da Siderúrgica Mendes Júnior, de Belo Horizonte (MG). Mas as obras de grandes hidrelétricas foram os projetos mais desafiadores dos quais participou. A empresa foi responsável pelo planejamento das unidades de Marimbondo (MG) e de Água Vermelha, esta na divisa entre São Paulo e Minas. No entanto, foi o projeto de Itaipu em que sua capacidade foi mais posta à prova.

A equipe de engenheiros da Promon utilizou análises geológica e geotécnica apuradas, que proporcionaram economia significativa de custos. Sua barragem principal foi concebida com a técnica de “gravidade aliviada”, de estrutura mais leve. Foi na época a maior do mundo e até hoje é um dos maiores orgulhos nacionais.

Também não há como contar sua história sem mencionar a fantástica contribuição para a Educação através da participação da empresa nos anos 1980 no programa dos Cieps, implantado no Estado do Rio. A Cidade Maravilhosa também não seria a mesma sem outro emblemático projeto realizado pela Promon, que foi o Sambódromo.

A partir de 2003, Makray começou a atuar na área ambiental, como diretor do Instituto Oikos de Agroecologia. A organização realizou diversos projetos de educação e restauração ambiental, principalmente no Interior de São Paulo. Entre eles, está a restauração florestal de áreas ciliares implementada na Microbacia Hidrográfica do Ribeirão dos Macacos, municípios de Guaratinguetá e Lorena. Ele foi também um dos idealizadores do projeto do Corredor Ecológico do Vale do Paraíba, que tem por objetivo reconectar mais de 150 mil hectares de floresta na porção paulista da bacia do Rio Paraíba do Sul. 

O Clube de Engenharia manifesta pesar pela notícia do falecimento de Tamas Makray, que deixa um legado inestimável para o país. Será sempre lembrado pelos projetos dos quais participou e por ter dado às suas equipes a liberdade de propor soluções que engrandeceram a Engenharia nacional.

Print Friendly, PDF & Email

Fale Conosco

Print Friendly, PDF & Email
Inscrição

Enviar Carta