A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio

A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio
ODS da ONU

Vice-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva liderou o processo, contrariando interesses internacionais 

Apenas 13 países no mundo detêm o domínio da tecnologia de enriquecimento do urânio, que permite seu uso como fonte de energia. Entre eles está o Brasil, que passou a figurar nesse restrito rol graças ao empenho e ousadia de um grupo de cientistas que se dedicou ao desenvolvimento de programa nuclear autônomo. No centro dessa conquista destaca-se o papel do Vice-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, considerado o pai do programa nuclear brasileiro. Coube a ele liderar um grupo de cerca de uma centena de profissionais de várias áreas de conhecimento, a grande maioria engenheiros, que desenvolveu, em cinco anos, um método inédito de enriquecimento por ultracentrifugação do urânio. 

Esta conquista, em parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), envolveu o Centro Tecnológico da Marinha de São Paulo (CTMSP), à época chamado de COPESP (Coordenadoria de Projetos Especiais), cuja sede fica no campus da Universidade de São Paulo (USP). Esse processo é a etapa mais importante para produção das pastilhas que alimentam os reatores das usinas nucleares de Angra 1 e 2 e que, no futuro, assegurará o funcionamento do reator do primeiro submarino de propulsão nuclear nacional. 

Importa dizer que a saga brasileira pelo enriquecimento do urânio teve outros capítulos e, todos eles, marcados por atritos com os governos norte-americanos, que nunca desejaram a independência de outros países no domínio autônomo do ciclo de geração de energia nuclear. O Almirante Álvaro Alberto da Mota e Silva tentou trazer para o Brasil durante os anos 1950 conjuntos de centrifugação, mas o material foi apreendido pelas autoridades norte-americanas quando ia ser embarcado na Alemanha.

A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio 1
Vice-Almirante Alvaro Alberto apresentando o projeto do submarino nuclear brasileiro

O militar e cientista tivera antes papel importante na defesa de interesses nacionais em prol do domínio do ciclo do combustível nuclear, através de seu posicionamento favorável à nacionalização das minas de tório e urânio brasileiras. Esses minerais radioativos são os mais utilizados na produção de energia nuclear e o controle dessas reservas estratégicas seria a etapa preliminar do processo soberano de produção dessa fonte energética no país. Sua posição, no entanto, contrariava frontalmente os interesses norte-americanos, que demandavam grandes exportações desses materiais.

A utilização da energia nuclear pelo Brasil continuou tendo episódios de atritos com a principal potência do planeta, mesmo nos anos 1950, quando começaram os debates sobre a construção de usinas atômicas. Prevaleceu a visão de que deveria ser adotada tecnologia norte-americana, culminando com a construção de Angra 1 pela Westinghouse Electric Corportation a partir de 1972. A vulnerabilidade da dependência tecnológica e do monopólio de importação de combustível para reatores já ficou evidente dois anos depois, com a decisão de Washington de não fornecer mais urânio enriquecido para novas usinas, o que prejudicaria o funcionamento da planta, que só viria a ser inaugurada em 1985.

A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio
Uma das centrífugas importadas da Alemanha pelo Almirante Álvaro Alberto.
Já foi exposta no MAST.

Nesse cenário, foi assinado em 1975 o Acordo Nuclear Brasil-Alemanha, que previa a construção de oito usinas. Angra 2 foi construída sob a égide dessa parceria, que contrariava o alinhamento automático aos EUA, mas que não deixou de ser criticada por trocar a dependência tecnológica de uma potência por outra. Além do domínio da tecnologia de reatores, esteve sempre em questão a capacidade do país de produzir o combustível que alimenta as centrais, também vital para o funcionamento de submarinos a propulsão nuclear. 

A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio 5

Por isso, outro importante desafio de Engenharia de grande repercussão geopolítica foi o desenvolvimento do protótipo em terra da Propulsão Nuclear para Submarinos, em Aramar, no município de Iperó (SP), inicialmente chamada de Instalação Nuclear de Água Pressurizada (INAP) e hoje conhecida como LABGENE (Laboratório de Geração Núcleo Elétrica) com a finalidade não só de testar o projeto e servir de local de treinamento para as guarnições dos futuros SN, como também de permitir leituras e avaliações que permitam otimizar o projeto final a ser instalado nos submarinos.

Importante esforço nacional com a participação de cerca de três centenas de engenheiros brasileiros que permitirá a navegação submersa por tempo praticamente ilimitado, assegurando aos tripulantes doses de radiação inferiores às doses naturais que a população litorânea do Estado do Espirito Santos recebe. Todos os equipamentos e componentes para este sistema nuclear de propulsão de submarinos foram fabricados no Brasil com projeto e tecnologia nacional ou nacionalizada. 

A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio 2
Maquete de interior de submarino nuclear

Para atingir esse objetivo, foram projetados vários laboratórios e instalações para homologação dos equipamentos e sistemas da propulsão nuclear, similares aos laboratórios e instalações existentes nos países que operam submarinos com propulsão nuclear. Entre essas instalações destaca-se o Reator de Pesquisas IPEN-MB01, construído para validar os cálculos do núcleo de reatores nucleares. O IPEN-MB 01 é o único reator de pesquisas integralmente projetado e construído por brasileiros. 

Segundo a historiadora Fernanda das Graças Corrêa, autora do livro “O Projeto do Submarino Nuclear Brasileiro – Uma história de ciência, tecnologia e soberania” (Capax Dei), dois fatores foram preponderantes para um maior encorajamento do Brasil em dar continuidade ao projeto. Um deles foi a vulnerabilidade da Marinha argentina diante dos submarinos nucleares ingleses durante a Guerra das Malvinas, em 1982. Foi formada uma zona de exclusão marítima em torno do arquipélago, o que serviria de lição para o Brasil em caso de ambição estrangeira, com uma costa muito mais extensa. 

Outro aspecto determinante foi a ampliação da faixa de mar territorial até 200 milhas além da linha da costa atlântica brasileira em 1970, ou até onde se estender a Plataforma Continental, culminando com a conversão do mar territorial em Zona Econômica Exclusiva (ZEE), por meio da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), de 1982. Essa plataforma de domínio brasileiro, batizada com o sugestivo nome de Amazônia Azul, por ter uma área similar à da Amazônia Verde, vem incrementando sua importância econômica com a exploração de petróleo e a posse de um submarino com a autonomia da propulsão nuclear se tornou estratégica. 

Os submarinos de propulsão nuclear podem navegar a profundidades de até 350 metros, cerca da metade da profundidade de colapso do casco. “Com o prolongamento da plataforma continental, a Marinha do Brasil pôde continuar defendendo a construção do submarino nuclear”, explica a historiadora, que destaca o papel do Vice-almirante como “mentor” do programa nuclear. 

A construção do submarino nuclear propriamente dito está prevista para ser realizada pela Itaguaí Construções Navais (ICN), na Região Metropolitana do Rio. Mas, além das limitações orçamentárias, o projeto ainda enfrenta outros obstáculos. O Brasil não obteve o aval da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para o uso do combustível nuclear para o reator do submarino. Representantes do órgão da ONU visitaram recentemente as instalações de Aramar e de Itaguaí para análise do projeto brasileiro. 

O mesmo organismo também vem fiscalizando o processo de enriquecimento de urânio, desenvolvido pelo Brasil. Fiscais da agência fizeram uma visita à fábrica da INB de Resende em 2004, num episódio cercado de polêmicas. Na época, as centrífugas chegaram a ser cobertas para se preservar segredos sobre a tão valiosa tecnologia nacional.

O Brasil tem o direito de desenvolver e operar submarinos nucleares,  salvaguardado pelo chamado “Tratado Quadripartite”, de 1991, assinado pela Argentina, pela Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (Abacc) e pela própria AIEA. O acordo foi depois aprovado pelo Congresso Nacional (1994) e ratificado pela ONU. A permissão para o uso da propulsão nuclear está explícita no Artigo 13 do texto, que também condiciona a autorização à não utilização do combustível em armas nucleares ou em outros artefatos nucleares explosivos.

A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio 7
Vice-almirante Othon Luiz Pinheiro

O êxito do Vice-almirante Othon e sua equipe é um dos muitos exemplos de ilustres engenheiros brasileiros que ousaram transformar o Brasil. Trazem em comum uma visão nacional-desenvolvimentista, que nasce com Getúlio Vargas, e se perpetua com maior ou menor intensidade nos vários governos que o sucederam, sempre combatidos por setores ideologicamente mais alinhados à dependência dos países tecnologicamente hegemônicos. Não obstante esse permanente e ainda atual conflito de visões sobre os caminhos do desenvolvimento nacional, fato é que, a partir de então, consolidaram-se, em vários momentos da vida nacional, políticas públicas preconizando a criação de empresas estatais articuladas com a academia e empresas privadas nacionais. A partir deste arranjo que envolvia principalmente, no início, os setores energético e metalúrgico que o país passou a ter as maiores taxas de crescimento no mundo, levando a uma vigorosa expansão industrial. 

O domínio do ciclo nuclear, decidido no final da década de 1970 é um destes exemplos exitosos, produtos de decisões políticas, e construídos por brasileiros determinados, como o Vice-Almirante Othon. 

O militar, que nasceu em Sumidouro em 1939, no Interior do Estado do Rio, graduou-se em 1960 pela Escola Naval, formou-se em Engenharia Naval pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1966, e obteve seu mestrado em Engenharia Nuclear no Instituto de Tecnologia de Massachusetts  (MIT), nos EUA.

A saga do Brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de urânio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio a saga do brasil na busca pela tecnologia do enriquecimento de uranio 4

Em que pese a rica formação e experiência no exterior, a atuação do militar jamais deixou de ser acompanhada pelas potências que dominam o ciclo de enriquecimento do urânio e, inclusive, o utilizam em seus arsenais. A preocupação sobretudo de Washington em não permitir que outros países dominem a técnica de enriquecimento do urânio é notória e vem de décadas. Um dos motivos alegados para isso é o risco de outras nações produzirem armas nucleares, mas a proliferação do conhecimento tecnológico também contraria os interesses dessa grande potência, mesmo que estes países assumissem formalmente e incluíssem em sua constituição o compromisso da destinação pacífica para o uso da energia nuclear, como foi o caso do Brasil. 

Em 2005, o cientista foi nomeado presidente da Eletronuclear, com a tarefa de retomar as obras de construção de Angra 3. No período, o Ministério de Minas e Energia iniciou estudo de ampliação do parque termonuclear, prevendo a construção de até 15 novas usinas. Foi em meio a este enorme e estratégico desafio para o país que o Vice-almirante Othon foi acusado de irregularidades na contratação de empreiteiras para a obra de Angra 3, afastado do cargo e depois preso de forma arbitrária pela Operação Lava Jato. No primeiro julgamento foi condenado a quarenta e três anos de prisão, revista posteriormente, em julgamento de segunda instância, para uma pena de quase cinco anos, substituída por penas restritivas de direitos. O Vice-almirante, que aguarda o resultado final em liberdade e tem a absoluta segurança de que, como em outros casos envolvendo a Operação Lava-Jato, terá a sua inocência comprovada. 

Se o desfecho desses processos ainda é incerto, requer reconhecer a importante contribuição que trouxe aos brasileiros as notícias veiculadas pelo The Intercept Brasil, sobre medidas ilegais tomadas por juízes e promotores com claro intuito político. No conjunto dessas iniciativas, apontaram-se ilicitudes para vários dos mais ilustres e renomados construtores de soluções para o Brasil, entre estes o Vice-almirante Othon. Paralisaram-se também as grandes obras, levando à falência ou desestruturando as equipes técnicas de muitas empresas de Engenharia, estaleiros e fábricas, principalmente vinculadas a responder às enormes oportunidades que se descortinavam para o setor energético brasileiro. Não deixa, portanto, de ter razão o Vice-almirante ao ver neste processo todo as ações oriundas de países com interesses estratégicos e comerciais contrariados. 

Othon é uma pessoa íntegra e acima de tudo um humanista. Quem o conhece de perto sabe o quanto ele respeita e valoriza a capacidade e dedicação do profissional, bem como apreço para com o trabalho coletivo
Ricardo Latgé, Conselheiro do Clube de Engenharia

O Vice-almirante Othon é um dos muitos ilustres engenheiros brasileiros que ousaram transformar o Brasil e acabaram envolvidos num processo em que não se separou devida e propositalmente o “joio do trigo”. Para o Conselheiro do Clube de Engenharia Ricardo Latgé, “Othon é uma pessoa íntegra e acima de tudo um humanista. Quem o conhece de perto sabe o quanto ele respeita e valoriza a capacidade e dedicação do profissional, bem como apreço para com o trabalho coletivo”. De fato, o grupo que desenvolveu o projeto das centrífugas de enriquecimento de urânio abrigou cientistas de todas as tendências políticas, sem preconceito ideológico. Othon sempre colocou em primeiro plano o desenvolvimento nacional, num país independente, soberano e socialmente desenvolvido. “Foi com base nestas ideias, em nada mesquinhas, que legou enormes serviços ao Brasil”, complementa Latgé. 

A verdade por trás das acusações está, pouco a pouco, vindo à tona. Inegável, no entanto, é reconhecer os enormes interesses estratégicos em jogo quando o assunto diz respeito ao tema energia, num país com as dimensões e características do Brasil e com a quinta maior reserva de urânio do mundo, sendo que a maior parte do território ainda não foi pesquisada. Portanto, a hipótese dos interesses em não permitir que o país se desenvolva não é, de fato, desprezível. Importa o valor que merece o Vice-almirante Othon, “um homem que tem uma história de luta pelo Brasil. Ele atuou em vários projetos que alcançaram resultados e foram promissores. São iniciativas que trouxeram retorno para o país e hoje ajudam no nosso desenvolvimento e soberania”. Isto é o que pensa o Presidente do Clube de Engenharia, Márcio Girão, e muitos que compartilham com ele o Conselho Diretor da entidade.

Print Friendly, PDF & Email
Tags:Defesa

Fale Conosco

Print Friendly, PDF & Email
Enviar Carta
Inscrição