O que você procura?
Revista
Autores
Categorias
Subcategorias
Tags

Novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconômico do país

Crédito: Pixabay
Novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconômico do país
Neoindustrialização do Brasil

Adensamento de cadeias produtivas do setor representa desafio para o governo e a sociedade, de acordo com o engenheiro Fernando Peregrino

Fruto de uma longa discussão entre integrantes do governo federal e representantes do setor produtivo, o programa Nova Indústria Brasil (NIB) tem o objetivo de deslanchar um processo de neoindustrialização do país. É uma oportunidade única para não só estancar a desindustrialização ocorrida nas últimas décadas, como de elevar a participação do setor industrial na economia, adensando as cadeias produtivas e criando empregos de qualidade. Para explicar as diretrizes dessa iniciativa, o engenheiro Fernando Peregrino, atual chefe de Gabinete da FINEP, participou do Encontros com Tecnologia, do Clube de Engenharia.

Novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconômico do país novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconomico do pais novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconomico do pais 1
Fernando Peregrino. Crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado

Sob a coordenação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI), o documento foi apresentado em janeiro deste ano, oficializando uma nova política para o setor que terá desdobramentos nos próximos dez anos. É, portanto, mais do que uma inciativa de um governo, é uma nova estratégia de desenvolvimento que tende a ultrapassar o mandato do atual presidente Lula. 

Novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconômico do país novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconomico do pais novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconomico do pais 3
O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e a ministra da Gestão, Esther Dweck. Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

As novas diretrizes estabelecem metas agrupadas em seis missões, que envolvem os setores de infraestrutura, moradia e mobilidade, agroindústria, complexo industrial de saúde, transformação digital, bioeconomia e transição energética, além de tecnologia de defesa. Através dessas missões, estão previstos investimentos que visam o cumprimento das metas. Além de mudanças na legislação para se reforçar a participação de produtos nacionais nas compras governamentais, há também a necessidade de se reformular a política de ciência e tecnologia, a fim de dar maior sustentação às metas.

O engenheiro Fernando Peregrino ressaltou não só a importância desse novo direcionamento, como destacou o quanto ele vem sendo moldado de forma democrática. A participação de trabalhadores e empresários em conjunto com autoridades políticas é um modelo que procura não só submeter as propostas a uma discussão crítica, como tem o potencial gerar maior coesão em torno desses objetivos.

 “É um plano que diz respeito a 21 ministérios. As discussões envolveram também associações de empresários, como a Confederação Nacional da Indústria, bem como de trabalhadores. Ao todo foram 42 entidades públicas e privadas que se uniram para formular esse programa. Não é apenas um programa do tipo top-down, é sobretudo horizontal e democrático”, afirmou Peregrino.

Conforme Peregrino explicou, apesar de em outras épocas o país já ter vivenciado experiências de estímulo à industrialização, há desta vez uma visão não só mais ampla como voltada para o longo prazo. Esse diferencial pode ser fundamental principalmente quando se fala da questão do desenvolvimento tecnológico. Há notórios exemplos de desafios de engenharia vencidos pelo país no passado, como o caso da construção da Ponte Rio-Niterói, por exemplo. No entanto, grande parte dessas conquistas foi  alcançada a partir de demandas isoladas, não criando uma sistematização de inovação e desenvolvimento tecnológico virtuoso.

Outro aspecto que pode dar ao programa maior fôlego e capacidade de transformação é o fato de ele estar sendo iniciado numa fase em que a própria economia mundial passa por uma transformação mais radical. A maior importância que o planeta está dando às questões ambientais e a imensa riqueza do território nacional são fatores que podem impulsionar diversas atividades ligadas à bioeconomia e estimular a produção de energia através de fontes renováveis. 

“Aqui começa a bioeconomia, a descarbonização, a transição e a segurança energética. O Brasil precisa aproveitar seus recursos naturais, não de uma forma predatória. Precisa preservar seus biomas, não só o da Amazônia, como o do Cerrado e os demais. A bioeconomia fomenta isso, ao estimular a descarbonização da produção”, ressaltou Peregrino.

Essa bioeconomia se relaciona com a indústria na medida em que a agricultura familiar, que tanto contribui para o abastecimento interno, carece de equipamentos. Enquanto essa atividade pode ganhar em produtividade, as fábricas se beneficiam com  um mercado muito mais amplo, ao fornecer para esses produtores rurais.

Novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconômico do país novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconomico do pais novo ciclo industrial deve alavancar desenvolvimento socioeconomico do pais 2
Proteção aos biomas como o da Amazônia está no programa. Crédito: Creative Commons

Peregrino também destacou no programa a importância que está sendo dada ao fortalecimento do complexo industrial da saúde. Ele citou diversos exemplos da precariedade desse segmento no Brasil, que ficou mais evidenciada durante a pandemia. Diante de uma situação como aquela em 2020, insumos básicos como luvas, máscaras e aventais desapareceram dos estoques e não havia no Brasil quem os fabricasse.

“É uma indústria simples, mas praticamente não tínhamos esse tipo produção no Brasil. Quase tudo era importado da China e durante a pandemia, além da demora, muitos carregamentos ficaram bloqueados em Miami”, contou Peregrino.

Como o engenheiro bem ressaltou, a nova industrialização não  se faz necessária em detrimento de outras atividades, como a mineração. A extração mineral é fundamental para a produção de motores e baterias dos carros elétricos que cada vez mais estarão circulando nas ruas. As riquezas naturais brasileiras, tão cobiçadas, também precisam de um forte sistema de defesa e a recuperação dessa indústria voltada para a proteção do território e da soberania é outra vertente a ser explorada.

Conforme destacou o vice-presidente do Clube, Márcio Patusco, mais do que a disponibilização de recursos, o programa precisa de uma execução muito bem coordenada que distribua as verbas corretamente e que tenha  efetivo controle sobre sua aplicação. É um trabalho de gerenciamento que nem sempre é feito corretamente, causando consequências danosas, como no caso de fundos da área de telecomunicações que não têm um bom aproveitamento.

“Há a necessidade de se colocar pessoas adequadas, principalmente gerentes de desempenho para fazer o controle e a destinação desses recursos”, alertou Patusco.

Peregrino admite que o gerenciamento é delicado, mas que há um esforço enorme por parte do governo para evitar falhas, tendo em vista também a amplitude da estrutura envolvida. O melhor antídoto contra qualquer emperramento do programa, entretanto, depende da cobrança e da participação da sociedade. Entender que é o momento de investir numa nova industrialização é a chave do sucesso desse processo que tende a beneficiar o Brasil como um todo.

Assista aqui ao programa Encontros com Tecnologia:

Print Friendly, PDF & Email

Fale Conosco

Print Friendly, PDF & Email
Enviar Carta
Inscrição