Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio

Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio
A Recuperação da Petrobras

Clube promove debate para esclarecer pontos da proposta apontada como de grande potencial turístico, mas criticada por seu impacto no monumento natural

Deslizar debaixo de uma tirolesa é um esporte da aventura em alta no mundo e a instalação desse tipo de estrutura atrai multidões de turistas em diversos pontos do planeta. Mas um projeto de colocação dessa atração no Rio de Janeiro vem causando grande polêmica. A ideia é estender cabos entre os morros do Pão de Açúcar e da Urca, onde os aventureiros teriam um visual inigualável, mas aspectos legais da preservação do cartão postal e a oposição de associações colocam a proposta na berlinda. Para que o assunto fosse debatido e o projeto esmiuçado, o Clube de Engenharia realizou um debate no fim de junho, com a participação de grupos tanto favoráveis quanto contrários ao projeto e novas atividades devem ser feitas para o esclarecimento da sociedade.

Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio
Simulação da tirolesa. Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

O projeto arquitetônico foi desenvolvido pelo escritório Índio da Costa, a pedido da empresa que administra o serviço do bondinho, a Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar. O próprio arquiteto esteve presente ao evento, mas foi seu filho Guto que fez a apresentação da proposta da tirolesa, ainda sem ter concluído o plano diretor para todo o parque, com as modificações que serão feitas nas construções no topo dos morros da Urca e Pão de Açúcar. A proposta também é de ampliação do acesso aos visitantes na Praia Vermelha.

Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio 1
O arquiteto Índio da Costa e o filho Guto em debate no Clube de Engenharia

Guto fez questão de frisar que a instalação da tirolesa terá impacto visual mínimo de qualquer ponto que seja observada. Os cabos teriam a espessura de 15 milímetros e seu funcionamento não produziria ruído ou poluição do ar. Ele admitiu que houve a retirada com a autorização dos órgãos públicos de 14 árvores, com a condição de plantio de outras 83. Ele também afirmou que será necessária a instalação de uma passarela para os usuários acessarem a rampa da tirolesa que ficaria ao redor das instalações do Pão de Açúcar suspensas sobre a rocha.

Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio 2
Guto Índio da Costa ressaltou características minimalistas do projeto

“Essas tirolesas estão nesses lugares porque elas têm baixíssimo impacto ambiental. É por isso que estão em áreas preservadas de matas e fantásticos porque têm uma estrutura minimalista”, afirmou o arquiteto, que ilustrou sua apresentação com diversas tirolesas espalhadas pelo mundo.

A arquiteta Paloma Yamagata falou como representante do Movimento Pão de Açúcar sem Tirolesa e SOS Pão de Açúcar. Ela criticou a falta de transparência do projeto e de debate junto à sociedade. Por estar acima da chamada cota 60, o projeto segundo ela seria impensável e a instalação da passarela, mesmo que suspensa, danificaria a rocha, que é tombada. Mas o ponto mais criticado foi o corte da rocha do Pão de Açúcar durante o período inicial da obra. A retirada foi feita antes da apreciação pelos órgãos de fiscalização, que só foram informados do fato depois.

Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio 8
A arquiteta Paloma Yamagata criticou a falta de transparência do projeto

“Ele não poderia extrapolar a área já ocupada pela Caminho Aéreo Pão de Açúcar. Não poderia ter havido o corte em rocha. A gente está falando de 158 metros cúbicos de rocha. É difícil para nós entendermos que o Pão de Açúcar, que é um bem público, esteja sendo tratado como uma propriedade privada”, afirmou a arquiteta.

O representante da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o biólogo Ricardo Couto explicou que por se tratar de uma unidade de conservação, houve a consulta não só ao órgão como ao seu conselho, sem que houvesse manifestação de oposição. No entanto, não teria sido informado o corte em rocha, mas sim apenas a retirada das árvores, em sua maioria exóticas. Ele também explicou que o licenciamento ambiental no município é realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação (SMDEIS).

O diretor de Licenciamento e Fiscalização da GeoRio, Sidney Machado, reconheceu que o corte em rocha ocorreu sem autorização do órgão, que, no entanto, deu seu aval para a intervenção após ser consultado. 

Todo o projeto foi duramente criticado pela jurista e professora Sonia Rabello, que classificou o corte em rocha de “mutilação” e apontou “questões graves” no processo de licenciamento tanto por parte da prefeitura quanto do Iphan, que tombou o monumento natural. Segundo ela, o projeto pode trazer consequências negativas internacionais, tendo em vista que o Pão de Açúcar faz parte da paisagem preservada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio 4
Sônia Rabello apontou riscos para o título de Patrimônio da Humanidade

“O projeto foi iniciado em setembro de 2022, ou seja, a SMDEI deu uma licença para começar a obra antes mesmo da licença do Iphan. É um descalabro de matéria de processo administrativo”, criticou Sonia Rabello.

Pedro Augusto Guimarães, vice-presidente do Conselho Estadual de Turismo, defendeu o projeto como alternativa de entretenimento e que atrairá mais turistas para o Rio. Segundo ele, apesar da preservação não há empecilhos para que sítios sofram adaptações.

“É natural surgirem dúvidas, mas estão sendo esclarecidas. Vamos fazer o que é possível dentro do razoável que possa valorizar o turismo”, afirmou Guimarães.

O vereador Edison Santos (PT) participou do debate e criticou a falta de diálogo na aprovação do projeto. Já o vereador Pedro Duarte (Novo) defendeu o projeto. O evento também contou com a participação de representantes das associações de moradores da Urca e da Praça Cardeal Arcoverde, que se manifestaram contrários ao projeto.

Projeto de tirolesa no Pão de Açúcar provoca polêmica no Rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio projeto de tirolesa no pao de acucar provoca polemica no rio 6
Público se dividiu sobre a conclusão do projeto da tirolesa

Em sua réplica, o arquiteto Guto Índio da Costa afirmou que o corte em rocha ocorreu majoritariamente em área que fica dentro de uma sala atualmente desativada e que seu objetivo foi nivelar o piso para permitir a acessibilidade à rampa da tirolesa. Por conta dessa retirada de rocha, a Justiça Federal determinou o embargo da obra. A liminar também suspende os efeitos da licença dada pelo Iphan.

O Clube de Engenharia se colocou à disposição dos interessados para a realização de novo debate para o esclarecimento de pontos que ainda gerem dúvidas e também vai acompanhar eventuais vistorias no local das obras, com o objetivo de auxiliar numa avaliação técnica e sensata para o caso.

Print Friendly, PDF & Email
Tags:Turismo

Fale Conosco

Print Friendly, PDF & Email
Enviar Carta
Inscrição